Consultoria Financeira Empresarial – O que é e como oferecer esse serviço para seus clientes contábeis

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Infelizmente, muitos empreendedores, mesmo aqueles que com ideias inovadoras e mercado para o crescimento, acabam fechando as portas de suas empresas por não realizarem a gestão financeira de maneira construtiva. Segundo o SEBRAE, 50% dos empreendedores brasileiros não sabem afirmar ou calcular se têm lucro ou prejuízo. Outro pesquisa mostra que, a falta de planejamento e má gestão financeira são as principais responsáveis pela alta taxa de falência das empresas. Neste contexto, o trabalho de consultoria financeira vem como um auxílio aos empresários que não desejam fazer parte dessas estatísticas. E você, como contador, é o melhor profissional para oferecer esse tipo de serviço. 

Por isso, neste conteúdo, eu explico um pouco mais sobre o trabalho de consultoria financeira e como ele é feito e dicas para seu escritório começar a oferecer esse serviço.

Pronto para aprender? Então vamos lá!

O que é consultoria financeira

A consultoria financeira é um serviço de aconselhamento sobre finanças e investimentos de um negócio, realizado por um profissional ou uma empresa especializada no assunto.

Normalmente, os empresários só percebem que é preciso ter uma consultoria financeira quando surge algum problema que não conseguem resolver sozinhos. No entanto, este tipo de consultoria pode ajudar também nos momentos de tranquilidade. Afinal, é por meio desse serviço que as empresas conseguem visualizar melhor as oportunidades financeiras do mercado, ajustar gastos e prever crises.

Quais serviços uma consultoria financeira pode oferecer?

O profissional que presta um serviço de consultoria financeira, analisa a atual situação da empresa, identifica suas oportunidades, seus pontos fortes e fracos e traça uma estratégia para fortalecer suas finanças. Neste contexto, é possível atuar em diferentes frentes, como:

  • Diagnóstico Econômico-financeiro: o objetivo é mostrar ao empresário o que aconteceu no passado da empresa, analisando custo, lucro e fluxo de caixa;
  • Planejamento Financeiro: busca planejar o futuro da empresa de acordo com as estratégias e previsões de vendas definidas;
  • Gestão Financeira: procura melhorias na gestão do dia a dia através de ferramentas e análise de indicadores financeiros;
  • Análise e Gestão de Custos: analisa como os custos da organização se comportam, identificando e corrigindo ineficiências;
  • Formação de Preço: identifica o melhor preço de venda de um produto ou serviço, considerando os custos, margem de contribuição e mercado;
  • Avaliação de Empresa (Business Valuation): visa definir o valor financeiro de uma empresa, analisando diferentes comportamentos;
  • Auditoria Financeira: busca revisar demonstrações financeiras, o sistema financeiro, registros, transações e demais operações de uma entidade.

Como fazer a consultoria financeira do seu cliente?

Agora que você sabe o que é e em quais frentes a consultoria financeira pode atuar, vamos entender como esse trabalho deve ser feito. 

Independente de qual seja o objetivo da consultoria, para aplicá-la, será necessário passar por 4 etapas. 

Vamos conhecer cada um delas agora:

1- Diagnóstico

A consultoria financeira começa fazendo o diagnóstico da empresa que irá atender. Para isso, é necessário ter em mãos acesso a dados, como:

  • Balanço Patrimonial;
  • Fluxo de caixa (passado e futuro);
  • Indicadores e dados financeiros;
  • Gastos recorrentes (salário, aluguel, contas, entre outros).

Além disso, também é essencial analisar outros aspectos, como: tempo de mercado; pontos negativos e positivos da operação; situação do setor de atuação, entre outros. Uma ótima ferramenta para esta etapa é a análise SWOT, que ajuda a definir as forças e fraquezas da companhia, além das  oportunidades e ameaças do mercado em que a empresa está inserida.

2- Documente as informações e pense no futuro

Diagnóstico realizado? Agora você precisa construir um documento com todos os dados que levantou, adicionando também informações sobre o que o empresário deseja alcançar no futuro. Neste contexto, as perguntas abaixo podem servir como um bom guia:

  • Deseja abrir filiais?
  • Pretende aumentar sua força de trabalho?
  • Deseja adquirir novos equipamentos para empresa?
  • Qual faturamento pretende atingir a longo prazo?
  • Além desses, quais os demais planos para o futuro?
  • Quais os limites de custos e despesas?
  • Pretende realizar investimentos?
  • Qual o lucro esperado ao final do período que está sendo planejado?

Essas informações servirão como base para todo o trabalho de consultoria financeira. Por isso, é necessário adicionar o máximo de dados possível, até mesmo aqueles que, inicialmente, parecem não ter importância. 

Com isso, é possível começar efetivamente o trabalho.

 3- Trace o plano de ação e coloque em prática

Agora é hora de colocar a mão na massa. 

Aqui, você deve definir, junto ao cliente, as ações necessárias para alcançar seus objetivos traçados. Em seguida, criar um cronograma realista, dividindo as ações de acordo com as responsabilidades e competências de cada membro da empresa do cliente.

No entanto, lembre-se que eventuais mudanças podem acontecer e afetar o que foi planejado, como a saída de um colaborador, por exemplo. Dessa forma, você deve deixar algumas lacunas abertas para que o cliente não seja surpreendido. Além disso, na hora de criar o plano de ação, não esqueça que o seu papel é de consultor. Por isso, não imponha nada ao cliente, dê sugestões e informe o seu ponto de vista, mas não o obrigue a levar adiante algo que ele não acredita. Isso pode prejudicar o seu relacionamento com ele e, até mesmo, fazê-lo desistir da consultoria financeira. 

4- Acompanhe e proponha melhorias

Por fim, mas não menos importante, é hora de acompanhar se o plano traçado está sendo colocado em prática. Para isso, você pode analisar os indicadores de desempenho financeiro a partir das principais demonstrações de uma empresa, como:

  • Balanço Patrimonial;
  • DRE (Demonstração do Resultado do Exercício);
  • DFC (Demonstrativo do Fluxo de Caixa);
  • ROI (Retorno sobre Investimentos);
  • Custos Operacionais. 

Além desses dados, mantenha um relacionamento aproximado com o cliente e repasse, com frequência, o plano traçado, conferindo se as ações ainda são eficientes ou se é necessário realizar melhorias. E não espere o fim das iniciativas para fazer esse tipo de sugestão. Afinal, com os demonstrativos é possível analisar os resultados em tempo real e, se necessário, fazer ajustes. 

Lembre-se que cada fase tem sua importância, por isso, não pule etapas, nem deixe informações de fora, combinado?

Agora é com você!

A consultoria financeira é um serviço fundamental para o sucesso de um negócio. E, para que esse trabalho seja eficiente e assertivo, precisa ser feito por um profissional capacitado, que conheça os números da empresa, seja da confiança do empresário e tenha uma visão completa do negócio dele, como você! Ou seja, além dos serviços que seu escritório já oferece, com a consultoria você será capaz de fornecer dados valiosos ao cliente. Tudo isso,  resulta em tomadas de decisões mais assertivas, agregando ainda mais valor ao seu trabalho.

Então, espero que esse conteúdo tenha te ajudado a entender melhor a consultoria financeira e deixado você pronto para colocar a mão na massa! 

Até o próximo conteúdo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *