Remuneração variável, colaborador engajado! – Conheça as vantagens e desvantagens dessa estratégia e como aplicá-la em seu escritório

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Para os escritórios contábeis que desejam dar um “up” na performance de seus times, apostar na remuneração variável, pode ser uma ótima opção. Isso porque, essa estratégia tem como objetivo aumentar a motivação dos colaboradores oferecendo um adicional financeiro além do salário normal. 

No entanto, para que esse programa seja aplicado com eficiência, é importante que os escritórios realmente conheçam o seu conceito. Caso contrário, ao invés de benefícios, pode trazer desvantagens severas ao negócio. 

Por isso, se você deseja conhecer mais sobre o tema e entender melhor como funciona a sua aplicação, continue comigo!

O que é remuneração variável?

A remuneração variável é tudo o que é pago ao colaborador fora o seu salário e demais benefícios estipulados em contrato, como vale transporte, vale refeição, convênio médico e etc. Ela pode ser definida como um conjunto de benefícios que complementam o salário fixo de um colaborador. 

Isso é conquistado de acordo com o seu desempenho em atividades previamente alinhadas entre a empresa e o profissional. Ou seja, para todos os colaboradores que tiveram um bom desempenho durante um determinado período de análise, um bônus será adicionado ao seu salário. É uma forma de premiar as competências dos colaboradores, de acordo com os objetivos alcançados e ao desempenho individual ou conjunto. 

Quais os tipos de remuneração variável?

Existem vários tipos de remuneração variável que se pode atribuir ao salário fixo dos colaboradores. Abaixo vamos conhecer as principais delas: 

Participação nos Lucros e Resultados (PLR)

Esse é um dos mais conhecidos e diz respeito a remuneração coletiva, na qual os lucros da empresa são redistribuídos entre os colaboradores. 

Bônus/Gratificação

O bônus é uma gratificação ao colaborador por algum fato específico. Por exemplo, ela pode ser paga para os vendedores que trouxerem clientes com determinado aporte para o escritório. 

Comissão

Os vendedores são os que mais recebem esse tipo de remuneração, na qual se estabelece uma margem do valor do serviço que vai para o vendedor quando ele consegue fechar um contrato.

Premiação

As premiações são como recompensas dadas aos colaboradores que atingem determinada meta, como indicar novos clientes, fechar mais balanços, receber a melhor avaliação de atendimento, entre outras opções. Aqui, além de dinheiro, é possível oferecer presentes, folgas e, até mesmo, viagens .

A remuneração variável é regulamentada pela Lei?

Há quem não saiba, mas a remuneração variável é regulamentada na Constituição Federal, pelo inciso XI do artigo 7, foi sancionada há mais de 50 anos e é totalmente livre de impostos e taxas adicionais. Por isso, ela é um valor pago a parte do salário fixo, que contém uma centena de descontos. 

No entanto, esse último ponto só virou realidade em 2017, quando diante da reforma trabalhista, Lei nº 13.467/2017, foi garantida a isenção de encargos, presente no Art. 457, parágrafo 2.

Quais as vantagens e desvantagens da remuneração variável

Agora que ficou claro o que é remuneração variável, quais seus tipos e o que diz a lei sobre ela, pode ser que você queira entender se implantá-la é realmente vantajoso, estou certa? Pois é, como em qualquer outra estratégia, ela possui riscos e vantagens. 

Para que você entenda melhor, abaixo eu listei cada um desses pontos. 

Vantagens

  • Os colaboradores se sentem motivados e, com isso, se esforçam mais para obter os melhores resultados;
  • Auxilia na hora de desenvolver uma cultura de meritocracia;
  • Ajuda a fortalecer a visão, missão e valores do escritório;
  • Retém e atrai talentos;
  • Incentivo individual e de equipes na realização das funções;
  • Reduz a rotatividade;
  • Melhora a sensação de pertencimento entre os colaboradores.

Riscos

Se mal implantada, a Remuneração Variável pode gerar alguns ruídos na equipe, veja alguns exemplos:

  • Essas possíveis diferenças salariais entre colaboradores do mesmo cargo pode causar insatisfação;
  • Dependendo do objetivo final, os colaboradores podem se concentrar mais na quantidade do que na qualidade.
  • Alguns podem se sentir inseguros e frustrados;
  • Quando mal definido pode gerar ansiedade nos funcionários e disputas desnecessárias. 

Em uma visão geral, a remuneração variável é super vantajosa e esses riscos, como comentei, não estão ligadas ao programa e sim na sua má implantação e aplicação. Dessa forma, se a sua dúvida era em relação a estratégia ser vantajosa, a resposta para ela é: quando bem aplicada, ela pode ser uma das melhores ações para engajar, aumentar, medir e melhorar a performance de seus colaboradores. 

Como implantar a remuneração variável? 

Como vimos, implantar a remuneração variável é uma decisão vantajosa e pode dar o up na motivação e na produtividade de seus colaboradores. No entanto, é necessário colocá-la em prática da maneira certa para deixar seu escritório bem longe dos riscos desse projeto.

Por isso, abaixo eu elenquei um passo a passo para você não errar ao implantá-la.

Vamos ver?

1- Defina seu objetivo

Porque você quer implantar um programa de remuneração variável em seu escritório? Quais resultados você deseja atingir com essa estratégia? Melhora na performance? Motivação dos colaboradores? 

Faça essas perguntas a si mesmo e entenda quais objetivos te levaram a tomar essa decisão. 

2- Escolha as metas 

Encontrado o objetivo da remuneração variável, defina quais metas seus colaboradores precisam atingir para ter direito a ela. Por exemplo, se o objetivo é melhorar a qualidade de atendimento do seu escritório, a meta escolhida pode ser:

  • Aumentar o tempo de resposta de 10 para 5 minutos;
  • 50% dos atendimentos com 100% de satisfação dos clientes;
  • 20% dos atendimentos finalizados em menos de 20 minutos.

Esses são apenas alguns exemplos, o ideal é que as metas estejam alinhadas com os objetivos do escritório. 

3- Defina métricas de avaliação

Com a definição das metas, é necessário escolher alguns KPIs para mensurar se elas estão sendo atingidas ou não. 

No caso do exemplo que citei acima, algumas métricas que poderiam ser usadas para mensurá-los, são:

É fundamental deixar claro para os colaboradores quais indicadores serão utilizados para avaliar o desempenho deles em relação aos objetivos traçados. Outro ponto importante é definir se a avaliação será feita por equipe ou individual. Isso pode fazer diferença na forma como seus colaboradores irão trabalhar para alcançá-las. 

4- Escolha o tipo de remuneração variável

De acordo com as metas e objetivos traçados, escolha o tipo de remuneração variável que os colaboradores irão receber, caso elas sejam atingidas. 

Para isso, algumas perguntas podem ajudá-lo, como: 

  • Quanto, financeiramente, meu escritório está disposto a investir em prol do objetivo traçado?
  • Pretendo pagar em dinheiro?
  • Qual o período de avaliação? Será mensal, trimestral ou anual?

O ideal é contar com a participação do seu financeiro para encontrar essas respostas e tomar a melhor decisão. 

5- Acompanhamento da execução do programa 

Após definir o objetivo, fazer a ponderação das metas, estabelecer o parâmetro e a validade do programa de remuneração variável, é essencial fazer o acompanhamento do desempenho e da execução das tarefas de todos os colaboradores.

Neste passo do projeto, você deve estar presente no cotidiano de sua equipe, tanto para motivá-los a alcançarem suas metas quanto na monitoração dos resultados.

Esse processo é imprescindível para que todos na organização saibam se estão no caminho certo. Além disso, a tecnologia também pode ser sua aliada nesse processo. Sistemas contábeis, como o Gestta, por exemplo, te ajudam a fazer esse acompanhamento de maneira efetiva e centralizada, emitindo relatórios que ajudam a acompanhar a performance de toda equipe de forma mais assertiva. 

O Gestta é um sistema de gestão contábil criado com exclusividade para os contadores. Seu foco é facilitar o dia a dia dos escritórios e atender as dores e necessidades desse tipo de negócio. Sua missão é tornar a rotina do profissional de contabilidade menos operacional e mais estratégica.  

Para fazer isso, ele oferece funcionalidades como: 

Todas elas podem ajudar você a aplicar a remuneração variável de maneira otimizada e justa.

Quer ver todas essas funcionalidades em ação? Clique no botão abaixo e solicite uma demonstração com um de nossos especialistas!

Agora é com você!

Espero que esse artigo tenha fornecido bons insumos sobre o que é a remuneração variável, o que diz a lei sobre ela, suas vantagens e desvantagens e como implantá-la da maneira certa. 

Como última dica, eu deixo alguns cuidados que você deve tomar para evitar as desvantagens dessa estratégia: 

  • Tenha um processo transparente e claro de metas e bônus, para que ninguém se sinta prejudicado ou desmotivado; 
  • Alie os objetivos quantitativos aos qualitativos para que os colaboradores não acabem se preocupando mais com os números e não tanto com o serviço oferecido. Pois, isso pode se tornar algo negativo; 
  • Jamais descuide do controle financeiro do seu escritório para que nada dê errado nessa estratégia.

Dito isso, agora é colocar a mão na massa e usufruir de todas as vantagens da remuneração variável!

Até o próximo conteúdo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *