fbpx

A migração de milhares de equipes de trabalho para o modelo home office nos últimos tempos, reforçou uma fragilidade já comum dentro das empresas: a dificuldade de gerir pessoas. Agora que o time não está mais sob o olhar atento do gestor, parece que ficou muito mais difícil manter todos na mesma linha. Neste contexto, começa a entrar em pauta um modelo administrativo diferente do convencional: a autogestão

Autogestão é uma forma organizacional de trabalho que incentiva o colaborador a ter mais autonomia e a ser responsável por suas metas e decisões. Na autogestão a hierarquia é descentralizada e tem como principal objetivo distribuir as responsabilidades, aliviando as tarefas dos líderes e aumentando o desempenho e a motivação das equipes.  

Além de colaboradores mais proativos e confiantes, o escritório que emprega a autogestão ganha mais agilidade em seus processos, diminui o tempo de resolução dos problemas e melhora a comunicação entre o líder e sua equipe. 

Ou seja, a autogestão traz inúmeras vantagens ao negócio, aos líderes de sua empresa e a sua equipe. Então, se você deseja saber mais sobre esse conceito e colocá-lo em prática em sua empresa contábil, continue lendo este artigo! 

O que é Autogestão 

Autogestão, como adiantei no início desse conteúdo, é um modelo organizacional que tem como base a distribuição uniforme da tomada de decisão entre os colaboradores de uma empresa valorizando a autonomia. 

Uma das principais características que diferencia a autogestão da gestão tradicional é que na primeira os colaboradores deixam de se reportar ao líder sempre que uma decisão precisa ser tomada. Desta forma não e necessário que todas as ações dele sejam autorizadas por alguém com cargo superior. 

Porém, não pense que a autogestão é bagunça. Ao mesmo tempo que o modelo preza pela independência, também existem regras estabelecidas. Ou seja, um conjunto de diretrizes é criado para que os colaboradores saibam até onde podem exercer sua autonomia. Neste sentido, regras e acordos que devem ser definidos, prezando sempre a qualidade do serviço e a responsabilidade do escritório. 

Ou seja, a autogestão não concede exatamente uma igualdade de poder entre os colabores liberdade para agir seguindo um conjunto de diretrizes bem definidas. 

Autogestão x Gestão Horizontal x Gestão Vertical 

A autogestão é muitas vezes confundida com outros modelos organizacionais como a Gestão Horizontal e Vertical. Mas existem grandes diferenças entre esses modelos de gestão e para deixar isso claro vamos apontar aqui essas divergências para evitar confusões. 

Gestão Vertical 

A gestão vertical é a mais convencional. Nela os níveis de hierarquia são bem definidos. Neste modelo é comum que os colaboradores executem suas funções sem qualquer questionamento e, geralmente, eles possuem pouca, ou nenhuma, autonomia. Por isso, esse tipo de cultura é considerado pouco inovador, uma vez que não existe a abertura para novas ideias e perspectivas. 

Gestão Horizontal 

Já a Gestão Horizontal, como o nome sugere, é o oposto da estrutura vertical. Neste modelo não há uma hierarquia definida. É como se não existissem cargos de liderança e todos trabalhassem com equiparação de poder e autoridade. 

Autogestão 

Por fim,  a autogestão, une o melhor de cada uma das duas culturas anteriores, ou seja, ela dá ao colaborador a autonomia necessária para que o seu trabalho seja feito, porém sem abrir mão uma estrutura hierárquica organizada. Isso significa que na autogestão a equipe passa a se reportar menos ao gestor e a seguir um conjunto de regras e acordos firmados de forma coletiva para orientar as suas tomada de decisão. 

Mitos sobre autogestão 

A autogestão, apesar de não ser uma cultura tão nova, ainda é pouco conhecida pelas empresas. E por quebrar alguns paradigmas da gestão mais vertical e tradicional, ela vem acompanhada por alguns mitos e inverdades sobre o seu modelo de gestão. 

Então, para que você possa entender melhor a verdade sobre a autogestão, vou desmistificar alguns desses mitos. 

Na autogestão não existem líderes

Esse é um grande mito que cerca a autogestão, pois nesse modelo existe sim a liderança, porém, ela é encarada de uma maneira um pouco diferente da tradicional. Na autogestão a liderança é enxergada de forma mais fluida, ou seja, em cada situação existe alguém que irá se destacar e, naturalmente, agirá como um líder. 

Assim, na autogestão, o colaborador tem mais espaço para expressar sua liderança, seguindo as diretrizes da empresa e, dependendo da situação, se reportando ao seu superior. 

Então sim, na autogestão existem sim líderes, porém a oportunidade de liderar e oferecida a equipe também. 

Na autogestão se leva mais tempo para a tomada de decisão 

Pelo contrário! As decisões nas empresas que adotam o modelo de autogestão são mais rápidas, uma vez que, não é preciso falar com vários líderes e gestores para que algo seja resolvido. 

Na maioria das vezes a decisão é tomada pelo próprio colaborador, que está na operação e responsável pela tarefa. 

No modelo de gestão vertical ou tradicional, os problemas passam por várias pessoas ou diversas reuniões, antes que sejam resolvidos, ou seja, nesses modelos, é correto afirmar 

que se leva mais tempo para que a decisão seja tomada. 

Além disso, a autogestão preza a tomada de decisão do colaborador, o que contribui com o crescimento e ganho de experiência.  

A autogestão não utiliza regras nem métricas 

Lembra que citei que a autogestão utiliza como base regras para que o colaborador saiba até onde pode ir? Então! Por isso, não é correto dizer que o escritório que utiliza a autogestão não possui regras. Neste modelo, ter diretrizes claras é indispensável para que todos saibam os princípios e normas, acordados pela empresa. 

Já no caso das métricas, mesmo prezando pelo autogerenciamento do colaborador e equipe, a empresa não deixa de se preocupar com os resultados.  

Na verdade, na autogestão as métricas passam a ser ainda mais valiosas, uma vez que, só é possível saber se essa cultura está dando certo, se os resultados se mostrarem positivos e o trabalho é entregue com qualidade. 

A autogestão torna todos iguais 

O que ocorre na autogestão é um acordo entre os líderes, gestores e colaboradores, sobre as regras que devem ser seguidas e como a tomada de decisão e autonomia precisa acontecer.  

Por isso, mesmo que o colaborador conheça as regras e saiba como o trabalho deve ser feito, é necessário haver autoridade. No entanto, o que irá diversificar aqui é que a relação de hierarquia poderá ser estabelecida com base nas tarefas. Ou seja, o colaborador sabe até onde vai sua autonomia e para quais tarefas ou problemas suas decisões precisam de um líder, para serem tomadas.  

Vantagens da autogestão 

Antes de implantar qualquer mudança em sua empresa é preciso avaliar quais as vantagens que essa decisão trará para o seu negócio. Então selecionei 3 das principais vantagens da autogestão. Veja a seguir:

Desenvolvimento 

Na autogestão, o trabalho e a empresa dependem totalmente dos colaboradores e equipes. Isso estimula o desenvolvimento do profissional, uma vez que a responsabilidade pelo trabalho e pelo bom funcionamento da empresa, necessitam dele. 

Além disso, o colaborador que reconhece essa responsabilidade, tende a se empenhar ainda mais para o desenvolvimento de suas tarefas, buscando sempre aprimorar e otimizar sua rotina de trabalho. Isso contribui para que o serviço entregue aos seus clientes tenha cada vez mais qualidade e excelência. 

Autonomia 

Aqui o colaborador sabe que, seguindo as normas e diretrizes da empresa, é possível tratar todo e qualquer problema com fluidez, agilidade e autonomia. Afinal, ele entende quando pode utilizar seu poder de decisão e como isso facilita o seu trabalho, uma vez que, ele mesmo pode comandar e resolver suas tarefas. 

Além disso, um colaborador que possui autonomia, amadurece como profissional e desenvolve novas e melhores habilidades a cada dia. 

Criatividade 

O fato de não precisar de aprovações e validações para que seu trabalho seja feito, permite ao colaborador explorar melhor suas habilidades criativas, criando novas maneiras de executar seu trabalho. 

Com isso, a autogestão traz confiança ao colaborador e ele consegue propor novas soluções e alternativas valiosas que muitas vezes o gestor não conseguia enxergar. 

Desafio da autogestão 

O maior desafio da autogestão é a dificuldade na implantação dessa cultura. 

Toda mudança é difícil e implantar uma nova cultura organizacional como a autogestão, exige tempo e energia das equipes e dos líderes e pode ser que nem todos se adaptem a essa nova maneira de gerir. Isso porque a equipe está acostumada a trabalhar sob o comando de um líder e sem atuar diretamente com a resolução dos problemas da empresa. 

Por isso, mudar esse comportamento exige comprometimento e estímulo. Além disso, é preciso fazer  melhorias na comunicação, no planejamento e na cultura de transparência da empresa. O foco é mostrar ao colaborador que mudar os rumos dessa forma, trará a ele e a sua rotina, inúmeras vantagens.  

Como estimular a autogestão da sua equipe contábil  

Intervir constantemente na rotina de sua equipe pode impactar no desenvolvimento deles, além de reprimir suas habilidades. Por outro lado, promover e estimular a autogestão de seus colaboradores, permite a eles desenvolver a capacidade de administrar suas atividades e tarefas. 

Então, para que o colaborador trabalhe com autonomia, algumas ações são indispensáveis para incentivar a autogestão. Vamos conhecê-las:  

Inspire confiança 

Proporcionar autonomia aos colaboradores ajuda a promover a motivação da equipe e influencia diretamente na produtividade e nos resultados do escritório. 

Mas, para que seus colaboradores se sintam seguros para tomar novas decisões, é preciso ter  paciência. 

Isso porque, no início da autogestão, é comum acontecerem  alguns erros, o que é natural. Cabe a você posicionar-se como um líder e ajudar sua equipe a entender qual seria a melhor maneira de resolver a questão. 

Reprimir a autogestão não é algo aconselhável, pois, um colaborador com medo de errar, pode ter grandes dificuldades em agir por conta própria. Por isso, mostre a sua equipe que você entende os pequenos erros. Isso dará a eles mais confiança em sua liderança e irá motivá-los, ao invés de reprimir.

Seja transparência 

Sua equipe precisa conhecer como funcionam os objetivos e metas da empresa com muita clareza. Isso faz parte das diretrizes e regras que mencionamos ao longo deste artigo. 

Estar ciente de todas as etapas de suas tarefas contribui para que você e sua equipe, caminhem sempre na mesma direção, focados nos resultados desejados. 

Criar uma relação transparente e direta ajuda e estimula a autogestão de sua equipe, afinal, eles saberão como funcionam os processos e assim poderão tomar suas decisões com mais autonomia e assertividade. 

Tenha metas e indicadores  

Ter metas e indicadores claros serve como uma bússola que norteia o caminho que sua equipe precisa trilhar para atingir os resultados esperados. 

Com esse norte, seus profissionais podem executar com mais plenitude a autogestão, afinal saberão aonde devem chegar e assim trilhar um caminho com mais liberdade e autonomia. 

Mas, para que isso funcione as metas devem ser de fácil compreensão, além de tangíveis, assim como os indicadores. 

Priorize a gestão equilibrada  

Um ambiente de trabalho  bom e agradável é essencial para que a autogestão possa crescer de forma sustentável em sua organização. Um colaborador feliz, trabalha de forma mais proativa, consegue criar soluções criativas e é mais produtivo e, tudo isso, parte de uma relação saudável entre líder e equipe. 

Então, evite utilizar tons agressivos e incentive a sua equipe a evitar também. Mostre aos seus colaboradores o quanto você valoriza a ajuda deles na construção do seu negócio. 

Isso irá deixá-los inspirados a utilizar a autogestão em prol do seu escritório. 

Valorize a autonomia 

A falta de autonomia pode impactar de forma negativa seu escritório, pois pode desengajar um colaborador, afetar sua produtividade, a qualidade de suas entregas e tornar alguns processos mais lentos do que deveriam. 

Por isso, mais do que dar autonomia aos colaboradores, é importante proporcionar a eles, condições para que conquistem essa independência. 

Permita e valorize a exposição das ideias de sua equipe, assim como sugestões que possam ajudar na tomada de decisões e melhoria de suas atividades. 

Incentive também a liderança. Deixe que eles desenvolvam essa capacidade de lidar com as responsabilidades. Essa atitude irá melhorar suas habilidades, além de tornar esse profissional mais maduro. 

Tenha uma boa comunicação 

A comunicação é peça chave da autogestão. Ter um bom diálogo ajuda a evitar conflitos, permite uma boa convivência entre os líderes e equipe, além de contribuir com o bom clima organizacional. 

Converse com sua equipe, mostre o quanto você valoriza o diálogo e como isso pode facilitar o dia a dia da empresa, enfatize também que a comunicação contribui com uma participação maior da parte deles. 

Além disso, mostre que você também está disposto a receber feedbacks assertivos. Assim, é possível compreender seus colaboradores, entender como eles pensam e então criar ações que possam aprimorar os processos e a comunicação do seu negócio.

Fuja da gestão autoritária 

Incentivar a autogestão não diz respeito apenas a mudar o comportamento da equipe, os gestores, líderes e diretores devem mudar também. 

Uma gestão autoritária, que impõe funções e não vivencia o dia a dia do escritório, por exemplo, terá poucas chances de êxito na autogestão, uma vez que, não conseguirá criar uma relação de comprometimento e fidelidade com a equipe. 

O ideal, é eliminar posturas impositivas e focar em uma gestão baseada em confiança e respeito. O intuito é despertar no colaborador a vontade de cooperar, por isso, faz sentido uma gestão que se envolva mais, ao invés de somente delegar.  

Incentive a participação 

A satisfação de um time está ligada a sensação de poder contribuir com o crescimento do escritório. Esse é o foco da autogestão, ela visa integrar toda a empresa aos objetivos e metas de crescimento. 

Assim como é importante ter uma equipe engajada, é necessário que todos se sintam parte fundamental do escritório e participem de suas conquistas. Afinal, se você compartilha as responsabilidades, deve compartilhar também os méritos. Isso incentiva o colaborador a demonstrá-la cada vez mais.

Agora é com você! 

A autogestão ajuda a construir, com pequenos gestos e ações, equipes mais humanas, colaborativas e conscientes do seu papel na organização. O que pode ser revertido em produtividade, qualidade e motivação.

Pode ser que esse tema seja novo pra você, ou que você ainda tenha algumas restrições sobre a autogestão, mas espero que esse conteúdo te auxilia a desmistificar todas elas, agora é com você!