Brainstorming – Aprenda a fazer chover ideias inovadoras em seu escritório

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Está buscando uma grande ideia que seja capaz de fazer sua empresa decolar? Ou precisa resolver um problema que tem impactado o fluxo de trabalho do seu escritório? Aquela velha história de que “duas ou mais cabeças pensam melhor do que uma” faz todo o sentido nesses casos. É por isso que é tão importante usar toda a capacidade criativa e intelectual da sua equipe aprendendo como fazer um brainstorming.

Mas você sabe o que é o brainstorming e qual a melhor maneira de aplicá-lo? Muitas vezes, pode ser complicado ter ideias em um ambiente que sofre pressões de todos os lados, como o contábil. Neste contexto, é necessário criar recursos que estimulem a criatividade da equipe, facilitando o surgimento de ideias inovadoras. É disso que se trata o Brainstorm e é sobre ele que vamos falar neste artigo. Aqui você irá aprender o que é o brainstorming, suas boas práticas e como colocá-lo em prática.

O que é brainstorming?

Brainstorming, ou tempestade de ideias em português, é um método utilizado para inspirar a solução de problemas, incentivando os membros de uma equipe a expressarem suas ideias sem filtros ou julgamentos. À medida que acontece essa “chuva”, o grupo consegue encontrar uma saída mais viável para determinada situação. 

O Brainstorm acontece como uma reunião, sendo uma estratégia muito popular para alcançar avanços em empresas de vários setores, inclusive o contábil, trazendo benefícios, como:

Boas práticas sobre como fazer um brainstorming

No mundo corporativo a criatividade é um aspecto frequentemente reprimido. Isso porque, poucas pessoas são responsáveis ​​por novas ideias e existem muitas críticas e julgamentos em torno delas. 

Por isso, há algumas boas práticas sobre como fazer um brainstorming para superar essas limitações e aumentar as habilidades criativas, tornando o processo mais efetivo. 

São elas:

  • Não é permitido nenhuma crítica ou julgamento de ideias;
  • Ideias ousadas e inovadoras são sempre bem-vindas;
  • Concentrar-se na quantidade de ideias é fundamental;
  • Construir ideias a partir das ideias dos outros, é uma forma de aperfeiçoá-las
  • Não é permitido interromper o processo criativo do colega;
  • Qualquer tipo de conflito deve ser evitado. 

Como fazer um brainstorming – Passo a Passo

Agora que você sabe o que é e quais são as boas práticas do brainstorming, chegou a hora de colocar a mão na massa e fazer a chuva de ideias acontecer. 

O processo é bem simples e, independente do objetivo, ele deve passar por 7 etapas.

Vamos conhecer cada uma delas:

1- Identifique o problema ou meta

A primeira ideia sobre como fazer brainstorming é ter em mente, de forma clara, qual o objetivo da reunião.  

Em um mundo ideal, a sessão de brainstorming é convocada para responder uma pergunta específica, por exemplo: “Como reduzir o tempo de entrega do departamento fiscal?” ou “Como a equipe de vendas pode fechar mais contratos no primeiro encontro com os clientes?”.

Lembre-se que o tempo é dinheiro em qualquer empresa, especialmente nas contabilidades. Por isso, é importante evitar gastar os minutos preciosos da sua equipe com conversas inócuas, que saem do nada para lugar algum. Portanto, tenha um objetivo claro.

2- Escolha os participantes

A segunda etapa de como fazer um brainstorming deve ser delimitar quem irá participar. Já que o tamanho da equipe e o perfil dos participantes podem influenciar diretamente o seu resultado.

Além disso, é bom evitar a superlotação da sua sala de reunião na ânsia de trazer uma abundância de ideias.

É importante contar com a diversidade de pontos de vista, mas a escolha dos participantes vai depender, em primeiro lugar, do tema que será abordado. Por exemplo, se você for discutir sobre “como tornar o processo fiscal mais eficiente”, talvez não seja coerente chamar um representante do recursos humanos para a reunião. 

3- Faça uma pesquisa prévia

Antes de começar o brainstorming, é importante que todos os participantes sejam informados sobre o tema que será discutido. E não é só isso, esse aviso precisa vir com uma certa antecedência, para que eles tenham tempo de se familiarizar com o assunto, colher informações e anotar dúvidas. A ideia é dar espaço para que todos possam realizar uma pesquisa prévia antes do dia da reunião. 

Porém, para que a etapa de pesquisa seja efetiva, é essencial engajá-los. Afinal, de nada adianta o gestor se responsabilizar em trazer informações preliminares, se é justamente a autonomia de cada colaborador na construção do conhecimento sobre o tema, o grande trunfo dessa estratégia.

Isso garante uma diversidade de olhares sobre o problema ou meta, o que, por sua vez, permite ao grupo abordá-los de ângulos diferentes, o que possibilita construir soluções criativas e inovadoras.

4- Comece a tempestade de ideias

Agora é hora de iniciar o brainstorming. Comece com todos os envolvidos compartilhando o que descobriram em suas pesquisas, o que já sabiam antes sobre o assunto e as dúvidas que surgiram entre o momento em que foram informados e o dia da reunião.

É importante que você, como mediador, mantenha o ambiente seguro, fazendo com que todos se sintam confortáveis para verbalizar suas opiniões de maneira clara e sem censura. O seu papel é essencial para garantir uma ordem em que todos possam participar na mesma medida, certificando-se de que ninguém será coibido.

Isso porque, esse é o momento do start da “tempestade de ideias”. Por isso, é importante que elas surjam de maneira abundante e indiscriminada, como as gotas de uma chuva torrencial. A ideia é evoluir coletivamente, com uma ideia servindo de trampolim para outra e assim por diante

5- Registre tudo

Fazer um bom registro, não significa que você precisa estar com um bloco e caneta na mão durante todo o brainstorming. Isso, na verdade, pode ser improdutivo e prejudicar a sua atenção.

No entanto, é importante registrar todas as ideias, mesmo aquelas que não parecem agradar em um primeiro momento. Afinal, uma análise com mais calma sobre elas pode deixá-la mais próxima da solução considerada ideal.

Uma boa dica é designar uma pessoa para fazê-las. Isso garante que a sua atenção estará 100% ligada ao debate. Pode ser alguém escrevendo em um quadro, um documento virtual compartilhado entre os participantes ou um local no qual todos possam colar post-its com suas contribuições. Isso facilita o trabalho de compará-las e estimula os participantes a fornecerem novos insights.

6- Analise as ideias

Depois do brainstorming, vem a fase de análise das ideias. 

Para esse processo, comece agrupando os insights que se relacionam entre si, eliminando as ideias repetidas. Assim, é possível chegar a uma lista mais enxuta para avaliar quais são as mais interessantes e quais fornecem soluções reais.

Outro ponto importante é saber como escolhê-las. Seu potencial inovador será mais importante do que a lucratividade no curto prazo? A facilidade de implementação é um fator relevante? Ter bons critérios acelera o processo e ajuda a selecionar as melhores ideias.

7- Condense as conclusões em um plano de ação

Depois de passarem pela análise, algumas ideias ainda restarão como possibilidades viáveis de atuação. Portanto, chegou a hora de pensar na aplicação de cada uma delas. 

Comece a formatá-las como em um plano de ação. A pergunta-chave deve ser: “como essa ideia me ajuda a reduzir o tempo de entrega do departamento fiscal?” ou “Como a equipe de vendas pode fechar mais contratos colocando essa sugestão em prática?”.

Além disso, é importante definir uma data para colocá-las em prática e acompanhar os resultados que elas trouxeram.  Afinal, mesmo que um brainstorming resulte em grandes ideias, elas não farão diferença se não se tornarem realidade.

Pronto para usar o brainstorming para gerar novas ideias e soluções para o seu escritório?

Com tantas vantagens, fica fácil entender os motivos que fizeram o brainstorming se espalhar rapidamente no mundo dos negócios. No entanto, também é fundamental usar as técnicas corretas para garantir que você o aproveite ao máximo e atinja seus objetivos. Por isso, coloque o passo a passo desse artigo em prática e deixe essa técnica ser parte da cultura do seu escritório! 

Até o próximo conteúdo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *